O tabaco orgânico tem ganhado muita força entre os apreciadores de cigarros artesanais.
Muitos afirmam que ele é “mais fraco” e que causa menos danos ao pulmão, já outros gostam da opção por ser mais aromática e sem os aditivos que podem causar problemas de saúde.
Mas você sabe realmente quais são as diferenças do tabaco orgânico para os convencionais?
Neste artigo, vamos contar para você todas as características desse tipo de fumo para que sua escolha seja ainda mais consciente:
O tabaco orgânico é realmente mais suave
No seu processamento, o tabaco orgânico passa por um banho de vapor d’água que “enfraquece” a nicotina presente na erva, em vez do banho químico que o tabaco tradicional leva para ser prensado e embalado.
Isso faz com que o cigarro artesanal seja muito apreciado por quem quer reduzir os cigarros diários ou a quantidade de nicotina no sangue.
Não possui aditivos químicos na sua composição
Como não recebe o banho químico, o tabaco orgânico é livre de aditivos químicos, além de ser mantido separado dos tabacos tradicionais em sua armazenagem, justamente para não ser contaminado.
Aliado a um papel de fumo também sem aditivos químicos, o consumo desse tipo de tabaco trazem bem menos malefícios a saúde do apreciador que os cigarros convencionais.
Não polui o meio ambiente
A diferença entre o fumo tradicional e o orgânico já começa antes mesmo de ser plantado: para receber essa modalidade a terra precisa estar há, pelo menos, três anos sem receber agrotóxico ou fertilizantes químicos.
E isso é garantido com fiscalização pesada dos órgãos reguladores, para que o tabaco possa receber o selo de produto orgânico e ser vendido no exterior.
As pragas são controladas através da enxada e do plantio combinado de outras espécies que ajudam a espantar os insetos prejudiciais ao tabaco. Já o solo é fertilizado com esterco e outros adubos naturais.
Com todo esse cuidado a terra e o lençol freático não são poluídos e envenenados como acontece nos plantios com agrotóxico e fertilizantes sintéticos.
Traz mais qualidade de vida para quem planta
Apesar de dar mais trabalho, o tabaco orgânico tem ganhado espaço no campo justamente por que é vantajoso para o produtor não precisar lidar diariamente com os agrotóxicos, que prejudicam a saúde não só de quem consome, mas também de quem planta.
Além disso, o fumo orgânico tem apoio do governo e é mais lucrativo para o agricultor e sua família.
Uma alternativa no meio do caminho: o tabaco natural
“Mas o tabaco orgânico e o tabaco natural não são a mesma coisa?”. Não são não, caro leitor.
Há semelhanças: tanto o tabaco orgânico quanto o natural não recebem agrotóxicos e nem aditivos químicos quando são processados. Porém, o controle sobre o solo e o resto do processo é bem menos rigoroso no tabaco natural.
E isso, é claro, se reflete no preço. O tabaco orgânico, por ter a qualidade e a pureza garantidas, sai um pouco mais caro que as outras opções do mercado.
Cabe a você decidir qual vale mais a pena para seu cigarrinho artesanal!
O que achou do artigo? Você já experimentou o tabaco orgânico ou o natural? Conte pra gente aqui nos comentários!